Brenda Ligia-Cinema,TV,Teatro

Minha foto
Brenda Ligia: prêmio de Melhor Atriz no festival CinePE 2017. Estreias: “Onde Quer Que Você Esteja” (longa/ Macondo Filmes SP); “Causa Mortis” (curta/ LRJ Filmes), “África da Sorte” (série/ TV Brasil), “15 Segundos” (longa/ prod.: Antonio Fagundes). Brenda está nos longas “Todas as Cores da Noite” (Pedro Severien), “As Melhores Coisas do Mundo” (Laís Bodanzky), “Sangue Azul” (Lírio Ferreira), “Bruna Surfistinha” (Marcus Baldini). Atuou nas séries de televisão “Sob Pressão” (Rede Globo), “A Mulher do Prefeito” (Rede Globo), “Beleza S/A” (GNT), “9mmSP” (Fox), “Somos Um Só” (TV Cultura). Formada em Comunicação Social na Faculdade Oswaldo Cruz/ SP. Cursou Técnico Profissionalizante em Teatro no Teatro Escola Macunaíma/SP. Em Teatro, foi dirigida por Wagner Moura na leitura dramática do espetáculo “Tchau, Querida”. Cursou Ciências Sociais na University of the West Indies (Trinidad & Tobago, Caribe) e Francês em Vevey (Suíça). Idiomas: Português, Inglês, Francês. Publicidade: Vivo, Santander, Sebrae, Coca-Cola, Mc Donald’s, Nossa Caixa, Nestlé, Nextel. Também APRESENTADORA e videomaker. CONTATO: brenda.ligia@hotmail.com

1 de dezembro de 2013

As Confrarias no Festival do Teatro Nacional

"As Confrarias" - apresentações do espetáculo no Festival Recife do Teatro Nacional: 30/nov e 01/dez (sábado e domingo), às 20h no Teatro Barreto Junior. Hoje é o último espetáculo do ano! Venham.
Brenda Ligia no camarim (Quitéria, em As Confrarias)



Dos 150 projetos inscritos, 17 peças foram selecionadas; entre elas, a nossa. "As Confrarias", texto inédito do importante dramaturgo paulista Jorge Andrade, nunca foi encenado no Brasil e tem a direção do mestre Antonio Cadengue (Cia Teatro de Seraphim).


A narrativa acontece no fim do século XVIII, focalizando, de um ângulo incomum, a Conspiração Mineira. É a fase da decadência e do fim do ciclo do ouro, onde o autor esboça a estrutura da sociedade colonial.


As Confrarias no Festival Recife do Teatro Nacional. Atriz Brenda Ligia, Nilza Lisboa e Roberto Brandão. 

Nenhum comentário: