Brenda Ligia-Cinema,TV,Teatro

Minha foto
Brenda Ligia, atriz. Em 2018 estreia na série “Assédio” (Rede Globo), “África da Sorte” (TV Brasil), “Onde quer que você esteja” (longa), “Flores do Cárcere” (longa), “15 segundos” (longa), “Causa Mortis” (curta). Formada na Faculdade de Comunicação Social; curso técnico profissionalizante de Teatro (SP); curso superior na University of the West Indies (Trinidad & Tobago). 6 séries de TV (“Sob Pressão”/ Rede Globo; “A Mulher do Prefeito”/ Rede Globo); em cinema, 7 longas (“As Melhores Coisas do Mundo”/ Laís Bodanzky; “Bruna Surfistinha”); 10 curtas; 9 espetáculos teatrais; 10 campanhas (como apresentadora); 15 comerciais (publicidade, institucionais) e 8 videoclipes. Inglês fluente, francês avançado. Também diretora, roteirista e montadora de 5 curtas: “Aqui Jaz” (prêmio ‘melhor atriz de curta’ p/ Brenda Ligia no CinePE 2017), “Rabutaia”, entre outros. Contato: brenda.ligia@hotmail.com

10 de abril de 2013

A Vida é Agora

Depois de viajar a trabalho por mais de dez cidades mineiras, chegamos à última etapa: Itumirim, sul de Minas. Pela janela em movimento, meus olhos varriam as ruas de paralelepípedos: crianças caminhavam pra escola, mulheres abriam o comércio, homens guiavam viaturas. Respiro (verde), paz (interior). Então notei, na lomba do passeio, um ser pequenino e leve que flutuava pela cidade: uma senhora mirim. Queria carregá-la no colo, pensei, sorrindo. Que linda... sumiu no bolo de gente.

Mas atração é lei: enquanto a equipe descarregava na locação, fui andar na praça à frente. Como mágica, dei de cara com ela (a senhora mirim), e meu coração saltou pela boca em forma de sorriso.

-Oi, tudo bem? Como é o nome da senhora? 
-Rosária. E o seu, fia? 
-Brenda. Prazer, Dona Rosária.
-Prazer, Brenda.
-Eu vi a senhora andando perto do mercado, e quis pegar a senhora no colo.
-Ah, fia, pode pegar, que eu tô custando a andar. 
-Sério? Não vai quebrar nenhum ossinho da senhora? 
-Não, fia. Minha neta me carregava todo dia. Eu gosto. Pó pegá. 

Então acomodei Dona Rosária em meus braços, sob efeito cadeirinha. Ela, fofa, deu um impulso pra cima, como quem tenta voar. Leve, subiu. Riu do tamanho do rio Capivari, ainda mais perto do azul do céu (de poucos dentes e muitas estrelas). Sussurou o nome da neta (pausa); e ficamos as duas ali, estáticas na menor distância entre as batidas de dois corações. Nos olhinhos úmidos da senhora, aquela lágrima era a saudade; por isso não cai. 

B.L.

"A Vida é Agora" (Eckhart Tolle)

Carregando a Dona Rosária no colo (praça de Itumirim, MG)

Nenhum comentário: