Brenda Ligia-Cinema,TV,Teatro

Minha foto
Brenda Ligia: prêmio de Melhor Atriz no festival Cine PE 2017 (Mostra Curtas PE). Estreias em 2017: “Onde Quer Que Você Esteja” (longa da Macondo Filmes/SP); “Causa Mortis” (curta da LRJ Filmes/PE), “Sob Pressão” (série da Rede Globo/ direção: Andrucha Waddington) e “África da Sorte” (série da TV Brasil/direção: Renata Pinheiro). Brenda está nos longas "Todas as Cores da Noite" (Pedro Severien), "As Melhores Coisas do Mundo" (Laís Bodanzky), "Sangue Azul" (Lírio Ferreira), "Bruna Surfistinha" (Marcus Baldini). Atuou nas séries de televisão "A Mulher do Prefeito" (Rede Globo), "Beleza S/A" (GNT), "9mm SP" (Fox), "Somos Um Só" (TV Cultura). Também é apresentadora e videomaker. Protagonizou comerciais e videoclipes musicais. Estudou no Teatro Escola Macunaíma/SP; atuou em comédias, musicais, infantis e dramas. Foi dirigida por Wagner Moura na leitura dramática do espetáculo “Tchau, Querida!”. É formada em Comunicação Social pela Faculdade Oswaldo Cruz/SP, cursou Ciências Sociais na University of the West Indies (Trinidad & Tobago, Caribe) e Francês em Vevey (Suíça). CONTATO: brenda.ligia@hotmail.com

14 de maio de 2015

Memória de infância


Uma das primeiras memórias que tenho da infância é de quando vi, pela primeira vez, a lua. Eu tinha uns 4 anos e viajava no banco de trás da nossa Variant branca, indo de Ilhéus para Itabuna. Ia solta, sem cinto de segurança nem nada, porque nos anos 80 era assim, mesmo. Minha mãe, a motorista, com grandes bobes coloridos escondidos nos cabelos, sob um lenço estampado, dirigia pela estrada enquanto fumava feito caipora, soltando baforadas do seu Plaza longo c/ piteira (nos anos 80 era assim, mesmo).
A Lua e Eu

Eu, sarará de maria-chiquinha e barrigão cheio de verme, observava o mundo com os olhinhos atentos de criança curiosa... via o mar, a fumaça, e a joaninha que eu trazia, com cuidado, na palma da mão.
"Essa vai morar com a gente", pensei meu segredo, "e dormir comigo, no meu quarto". Satisfeita, eu.
Via o céu, as estrelas, a lua... mas, peraí: a lua estava seguindo a gente. Os coqueiros passavam, as casinhas de beira de estrada ficavam pra trás, tudo sumia de vista... mas a lua, não! Ela estava, definitivamente, se-guin-do a gente!
-Mãe! A lua está seguindo a gente, mãe!
Pelo retrovisor, ela me olhou, sorriu e disse "ãrran".
Como assim? Só "ãrran"? Um evento daquela dimensão, descoberto por mim, e ela apenas "ãrran"!? Tsc, tsc, tsc... que decepção, Dona Marizia.
E assim foi até chegarmos em casa: a lua nos fez a escolta exclusiva mais brilhante de que se teve notícia. Eu, me sentindo importante, esboçava um sorriso tão largo que exibia até as estrelas do céu da boca. "Só podia ser coisa da joaninha da sorte!"
Menina mais satisfeita, naquele dia, não havia em toda a Bahia.

Ao longo dos anos, descobri que a lua me seguiria sempre, por onde quer eu fosse. Desde quando nasci (virada pra lua?), na minha amada Ibiá/MG (onde a vida tem cheiro de pão de queijo de vó), passando por São Paulo, Suíça, Trinidad & Tobago, Panamá, Recife... por onde andei, até os dias de hoje, ela (soberana) me vigia (e reina) atenta, lá do topo.
No céu de minha existência, ao longo das últimas décadas, a lua deu 481 voltas na Terra, mantendo sempre sua beleza majestosa, única. Quem mudou fui eu... bastante. Mas aquela menininha ainda brinca em minha alma... principalmente esta noite, quando encontrei uma joaninha na calçada e trouxe escondida, pra morar comigo. Me sinto, de novo, como aquela criança ingênua que guardo desde sempre, com carinho, aqui na minha memória emotiva; que se encantava com as maravilhas do mundo e os mistérios dos céus, sem saber ao certo onde termina um e começa o outro.

E você, qual é sua primeira memória de infância?

Nenhum comentário: