Brenda Ligia-Cinema,TV,Teatro

Minha foto
Brenda Ligia: prêmio de Melhor Atriz no festival Cine PE 2017 (Mostra Curtas PE). Estreias em 2017: “Onde Quer Que Você Esteja” (longa da Macondo Filmes/SP); “Causa Mortis” (curta da LRJ Filmes/PE), “Sob Pressão” (série da Rede Globo/ direção: Andrucha Waddington) e “África da Sorte” (série da TV Brasil/direção: Renata Pinheiro). Brenda está nos longas "Todas as Cores da Noite" (Pedro Severien), "As Melhores Coisas do Mundo" (Laís Bodanzky), "Sangue Azul" (Lírio Ferreira), "Bruna Surfistinha" (Marcus Baldini). Atuou nas séries de televisão "A Mulher do Prefeito" (Rede Globo), "Beleza S/A" (GNT), "9mm SP" (Fox), "Somos Um Só" (TV Cultura). Também é apresentadora e videomaker. Protagonizou comerciais e videoclipes musicais. Estudou no Teatro Escola Macunaíma/SP; atuou em comédias, musicais, infantis e dramas. Foi dirigida por Wagner Moura na leitura dramática do espetáculo “Tchau, Querida!”. É formada em Comunicação Social pela Faculdade Oswaldo Cruz/SP, cursou Ciências Sociais na University of the West Indies (Trinidad & Tobago, Caribe) e Francês em Vevey (Suíça). CONTATO: brenda.ligia@hotmail.com

15 de agosto de 2013

"Viver é fácil, difícil é escrever a vida"

Acabei de voltar de uma viagem insana com um escritor fugitivo, embriagado e obsessivo chamado Paulo (ah! Este é o nome do meu avô, do meu pai, do meu sobrinho e afilhado). Tudo começou em SP, na boca do lixo, explorando a fé evangélica, a literatura clássica e o erotismo barato. Voamos juntos aos Estados Unidos da América (ah! Quando eu tinha 15 anos, meu pai nos levou a Nova Iorque; pena que, naquele tempo, eu ainda não tinha olhos para ver a cidade que cercava meu mundo). 

Depois, por terra, rastejamos pela malha viária, numa "bad trip" paranoica com fedor de urina ácida empesteando todo o ônibus (ah! Minha infância na estrada entre SP e MG… como era doce a chegada a Ibiá, Altas Terras, a minha natal, da família Miguel! Nas paradas de 15 minutos, brôas de fubá). Para Paulo, Dreher na garrafinha; o excesso lhe cai bem. 

Paramos em Maceió. Seguimos até Palmeira dos Índios, terra de Graciliano Ramos, onde personagens desorientados destrincharam nossa vala dos ímpios mundanos. Farras homéricas no meu Recife… dor, prazer e amortecimento químico de toda sorte. Voltamos a São Paulo (onde mora minha mãe, Dona Marizia), misturando realidade e ficção, entregues à luz e escuridão desse "road book" que passou como um filme na minha mente. Uma viagem alucinante e cinematográfica, que acabou na página 204 mas ainda me faz sangrar pelos poros. 
Iberê Segundo Paulo, de Lula Falcão
P.S.1: Obrigada ao amigo Lula Falcão por  proporcionar esta jornada fervorosa pelo mundo das letras e ideias bem colocadas. Seu livro Iberê Segundo Paulo me deixou entusiasmada e moralmente tocada. 

P.S.2: Agradeço também ao bispo Iberê, pois sem ele não teríamos conhecido o Inferno nem o Céu. 

"Viver é fácil; difícil é escrever a vida" (Mino, em "Iberê Segundo Paulo",  de Lula Falcão, à venda nas melhores livrarias do país. Boa viagem!).  

Nenhum comentário: