Brenda Ligia-Cinema,TV,Teatro

Minha foto
Brenda Ligia, atriz. Estreias em 2017: “Onde Quer Que Você Esteja” (longa da Macondo Filmes/SP); “Causa Mortis” (curta da LRJ Filmes/PE), “Sob Pressão” (série da Rede Globo/ direção: Andrucha Waddington) e “África da Sorte” (série da TV Brasil/direção: Renata Pinheiro). Brenda está nos longas "Todas as Cores da Noite" (Pedro Severien), "As Melhores Coisas do Mundo" (Laís Bodanzky), "Sangue Azul" (Lírio Ferreira), "Bruna Surfistinha" (Marcus Baldini). Atuou nas séries de televisão "A Mulher do Prefeito" (Rede Globo), "Beleza S/A" (GNT), "9mm SP" (Fox), "Somos Um Só" (TV Cultura). Também é apresentadora e videomaker (roteiriza, dirige e monta curtas autorais). Protagonizou diversos comerciais e videoclipes musicais. Estudou no Teatro Escola Macunaíma/SP; atuou em comédias, musicais, infantis e dramas. Foi dirigida por Wagner Moura na leitura dramática do espetáculo “Tchau, Querida!”, de Ana Maria Gonçalves, no Auditório Ibirapuera (nov/16). É formada em Comunicação Social pela Faculdade Oswaldo Cruz/SP, cursou Ciências Sociais na University of the West Indies (Trinidad & Tobago, Caribe) e Francês em Vevey (Suíça). CONTATO: brenda.ligia@hotmail.com

20 de outubro de 2009

Zumbis

Locação: praça no centro da cidade.
(Suja, escura, podre)

Como zumbis, seres se agrupam em torno de uma causa comum: decadência sem elegância. Crack. Mata.
Chegam num bando de uns 8. Param na esquina. Conversam. Se movimentam muito, e rapidamente. Fissura.
Então começam a surgir outros; inúmeros deles. Brotam tal qual passe de mágica, como se surgissem das trevas, do solo, do nada. Do vazio.
O de capuz atravessa a rua, com seu gingado à la maloca, inconfundível. Junta-se ao bando. E também vem o mendigo com cobertor nas costas. E o cara de bicicleta. E uma mulher muito magra, pele e osso, praticamente. E tantos outros, todos iguais, incontáveis. Agitam-se, juntos. Articulam. Trocam coisas, físicas e espirituais: só energia ruim, dá pra sentir de cara.
Logo, ouve-se o clicar de isqueiros impiedosos, que, em flash brusco, queima neurônios um a um, carbura sonhos e vontades, destroi o desejo de viver e acende a chama que os queimará no fogo do inferno.

E não me refiro àquele inferno clássico, religioso, não. Estou falando do próprio inferno no qual eles já vivem. O inferno de estar numa praça no centro da cidade, numa segunda-feira besta de outubro, às 3 da manhã chuvosa, atrás de crack em rodinha de nóia. Em cada rosto, uma expressão de desgosto. Pessoas vazias. Tristes. Olhares perdidos, que não veem nada. Que inferno deve ser não ter vontade de preservar o único bem precioso: a própria vida!

O carro de polícia se aproxima, vagarosamente. Giroflex ligado, para ser notado. Olham. Dispersam, como moscas que circundam excremento. E seguem, então, para uma próxima esquina, em busca das mesmas coisas que nunca vão encontrar. Só vazio e dor. Abandono e fraqueza. Sucumbem. Morrem. E talvez a morte física não seja pior que a deles... anseiam por isso.
Seria sua libertação, finalmente?
*********************************
PS.: Agora, madrugada dessa mesma segunda-feira, eu, quentinha e confortável aqui no meu leito, escrevo esse texto numa respirada só. Tudo que vi foi da janela da locação, pois estamos filmando no centro da cidade. Horário de verão, o dia chegou. E termino aqui meu singelo relato, na certeza de que, para aqueles zumbis, nunca vai amanhecer. Noite, noite, noite sempre... tipo inverno na Finlândia, aff, imagina.

Nenhum comentário: