Brenda Ligia-Cinema,TV,Teatro

Minha foto
Brenda Ligia, atriz. Estreias em 2017: “Onde Quer Que Você Esteja” (longa da Macondo Filmes/SP); “Causa Mortis” (curta da LRJ Filmes/PE), “Sob Pressão” (série da Rede Globo/ direção: Andrucha Waddington) e “África da Sorte” (série da TV Brasil/direção: Renata Pinheiro). Brenda está nos longas "Todas as Cores da Noite" (Pedro Severien), "As Melhores Coisas do Mundo" (Laís Bodanzky), "Sangue Azul" (Lírio Ferreira), "Bruna Surfistinha" (Marcus Baldini). Atuou nas séries de televisão "A Mulher do Prefeito" (Rede Globo), "Beleza S/A" (GNT), "9mm SP" (Fox), "Somos Um Só" (TV Cultura). Também é apresentadora e videomaker (roteiriza, dirige e monta curtas autorais). Protagonizou diversos comerciais e videoclipes musicais. Estudou no Teatro Escola Macunaíma/SP; atuou em comédias, musicais, infantis e dramas. Foi dirigida por Wagner Moura na leitura dramática do espetáculo “Tchau, Querida!”, de Ana Maria Gonçalves, no Auditório Ibirapuera (nov/16). É formada em Comunicação Social pela Faculdade Oswaldo Cruz/SP, cursou Ciências Sociais na University of the West Indies (Trinidad & Tobago, Caribe) e Francês em Vevey (Suíça). CONTATO: brenda.ligia@hotmail.com

29 de junho de 2015

Em memória

Um dia me perguntaram se a dor do parto era a pior do mundo. "Claro que não", eu disse. Porque a pior dor do mundo não é a de ganhar um filho, e sim perder. Não existe, nessa vida, nada mais doloroso do que uma mãe se despedindo do filho. É a faca afiada da saudade que estraçalha a alma; e parece que não cicatriza nunca, Deus me livre. 
 
Ontem à noite, no Morada da Paz, presenciei uma mãe-leoa se despedindo da cria que lutou contra o câncer com todas as forças e sede de beber até a última gota de vida. Cumpriu a missão e libertou-se das dores do seu mundo; a jovem Júlia Ferreira partiu deixando saudade e lição de vida.

Então, com o coração apertado, dei meu abraço mais forte em seu pai, nosso amigo Lirio Ferreira, cujos olhos tristes refletiam o maior amor do mundo.

No caixão, entre tantas flores, a mais bela repousava serena em seu descanso perpétuo, quase sorrindo de tão linda a jovem mocinha. Dei um beijo em sua testa fria, despedindo-me da guerreira corajosa que conheci ainda criança.

"Olhaí, Juju. Eu não prometi trazer Raul pra você conhecer? Então!", pensei. As mãozinhas quentes do meu filho tentavam tocá-la, tão florida estava. Ele também se despedia; afinal, a sensibilidade dos bebês é muito maior do que se imagina.

Foi uma honra tê-la em nossas vidas, Júlia. Mas agora já pode voltar a voar: livre, enfim.
Uma roda de amor, tristeza e saudade


Lirio Ferreira, amigo gatito, amo você. Levante-se quando estiver pronto: estaremos aqui para ampará-lo.

Agora chove forte lá fora, e aqui dentro, há saudade líquida escorrendo pelo rosto, e queimando mais que a chama da vela que acendemos pra ela. Ê, vida que faz "crescer e aceitar que, de repente, tudo muda e troca de lugar."

Júlia Ferreira, descanse em paz, filha.
 
 
 
  
"A vida não passa de uma oportunidade de encontro; só depois da morte se dá a junção; os corpos apenas tem o abraço, as almas tem o enlace".
Victor Hugo
 

Nenhum comentário: