Brenda Ligia-Cinema,TV,Teatro

Minha foto
Brenda Ligia, atriz. Em 2018 estreia na série “Assédio” (Rede Globo), “África da Sorte” (TV Brasil), “Onde quer que você esteja” (longa), “Flores do Cárcere” (longa), “15 segundos” (longa), “Causa Mortis” (curta). Formada na Faculdade de Comunicação Social; curso técnico profissionalizante de Teatro (SP); curso superior na University of the West Indies (Trinidad & Tobago). 6 séries de TV (“Sob Pressão”/ Rede Globo; “A Mulher do Prefeito”/ Rede Globo); em cinema, 7 longas (“As Melhores Coisas do Mundo”/ Laís Bodanzky; “Bruna Surfistinha”); 10 curtas; 9 espetáculos teatrais; 10 campanhas (como apresentadora); 15 comerciais (publicidade, institucionais) e 8 videoclipes. Inglês fluente, francês avançado. Também diretora, roteirista e montadora de 5 curtas: “Aqui Jaz” (prêmio ‘melhor atriz de curta’ p/ Brenda Ligia no CinePE 2017), “Rabutaia”, entre outros. Contato: brenda.ligia@hotmail.com

13 de fevereiro de 2013

Drama, poesia e arte

Marcaram a reunião pro dia do meu aniversário: às 20h de uma noite quente de fevereiro. Entrei no elevador com o pé direito no trabalho novo, toda perfumada com colônia cítrica. Ufa, pontual: desliguei o celular e ajeitei a alça do vestido novo. O espelho escondia o segredo: era meu aniversário. Sorri. 

Desde menina, já enfeitiçada pela grandeza do teatro, meus olhos miram o palco feito criança no barco Viking... querendo tudo, tanto. "Meu presente é aqui, no Pina, agora", penso, "chegando à leitura do espetáculo 'As Confrarias', de Jorge Andrade (da década de 60: momento histórico); sob direção do competente Antonio Cadengue (majestoso); estreia em junho; com a Cia Teatro de Seraphim (tradicional) e seus grandes profissionais (meus novos confrades)". Cheguei: surpresa! "Parabéns pra você", abraços, presentes (com dedicatória dos autores) e brinde com prosecco (à generosidade do bom pernambucano).

Voltar aos palcos é sempre fascinante, mas dessa forma é um estado de graça. É instigante desbravar as delícias da pesquisa histórica através de artigos, teses, livros... Estou na centésima página de "A Morte é uma Festa" (Cia das Letras); passei o carnaval estudando sobre ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. Ocupada e adorando. 

Ok. Encaro a responsabilidade da dramaturgia séria, sólida, como instrumento de transformação social e reflexão política. Aceito o desafio de emprestar meu corpo à personagem Quitéria, ex-escrava na sociedade mineira do Brasil colonial, com questionamentos religiosos e étnicos. Estou preparada para embarcar nesta viagem e exercer com plenitude o meu papel de artista. 
Elenco do espetáculo "As Confrarias". Direção: Antonio Cadengue. Estreia em jun/13
No fim do ensaio, tive vontade de fazer um discurso emocionado aos novos colegas, dizendo tudo que escrevi aqui, e acrescentando, às lágrimas: "vocês são parte do meu presente, neste feliz aniversário". Mas como ainda não tenho intimidade com o grupo, disse apenas "obrigada" e sorri. Não só ri com os lábios, mas com os olhos, com a alma e o coração. O Teatro salva. Drama, poesia e arte!

Nenhum comentário: